Emily Dickinson – traduções por Rodrigo Goulart

Emily Dickinson (1830 – 1886)
Trad. Rodrigo Goulart /@ex_nihil

Esses provaram o Horizonte —
(886)

Esses provaram o Horizonte —
Então desapareceram
Como Aves antes de obter
A Latitude.

Nossa Recordação Deles
Um prazer consumado,
Mas a nossa Previsão
Uma Dúvida — um Dado —


These tested Our Horizon —

(886)

These tested Our Horizon —
Then disappeared
As Birds before achieving
A Latitude.

Our Retrospection of Them
A fixed Delight,
But our Anticipation
A Dice — a Doubt —

 

Conte toda a Verdade — mas oblíqua —
(1263)

Conte toda a Verdade — mas oblíqua —
No Rodeio reside o êxito
Brilha ao nosso enfermo Delírio
Seu Vero supremo efeito

Como o Raio à Criança se explica
Docemente pro seu sossego
A Verdade deve alumbrar aos poucos
Ou o homem ficará cego —


Tell all the truth but tell it slant —

(1223)

Tell all the truth but tell it slant —
Success in Circuit lies
Too bright for our infirm Delight
The Truth’s superb surprise

As Lightning to the Children eased
With explanation kind
The Truth must dazzle gradually
Or every man be blind —

 

A Dor — vestígio Vazio —
(650)

A Dor — vestígio Vazio —
Lembrar-se não pudera
Quando começou — ou se houve
Um tempo em que não era —

Sem Futuro — além de si —
Seu Infinito interior —
Passado — sábio percebe
Novos Períodos — de Dor.


Pain — has an Element of Blank —

(650)

Pain — has an Element of Blank —
It cannot recollect
When it began — or if there were
A time when it was not —

It has no Future — but itself —
Its Infinite contain
Its Past — enlightened to perceive
New Periods — of Pain.

 

Referências
Dickinson, Emily. The Complete Poems of Emily Dickinson. 2 nd Ed. by
Johnson, T. H., & Little, Brown and Company (1960).

3 comentários em “Emily Dickinson – traduções por Rodrigo Goulart”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.